Leibniz e Simmel: um esboço

 
 
Trabalho de final de curso apresentado à disciplina de “Teorias Sociológicas Contemporâneas”. Base para um artigo futuro, que explore o tema. Críticas, comentários e observações são muito bem-vindos.
 
 
Leite, F. “O Universal no particular: elementos da Monadologia leibniziana em Georg Simmel”. Set.2011
 
 
Eis a introdução:
 
 
I. INTRODUÇÃO
 
 
As antinomias marcam particularmente a Sociologia. Geralmente organizadas em pares, oposições como “indivíduo e sociedade”, “objetivismo e subjetivismo”, “macro e micro”, “estrutura e ação”, “sujeito e objeto” – a série parece estender-se ao infinito – parecem operar como princípios de organização da prática e campo sociológicos. Tomando os clássicos, Durkheim representaria um ponto extremo, o núcleo do pensamento sistêmico, objetivista, macro, positivista e Weber o outro, representante do historicismo, individualista e um quase hermeneuta; com o dialético Marx oscilando na escala, a depender da versão do marxismo, embora pendendo em cercanias durkheimianas. Não cabe aqui discorrer sobre a validade, proficuidade ou mesmo a verdade desses estereótipos – arquétipos, na melhor das hipóteses. Interessa-nos a posição de Simmel nessa escala das antinomias sociológicas. É comum vermos Simmel posicionado para lá do extremo weberiano; um intelectual do detalhe, do microscópico, da psique, das vicissitudes da prática humana; um sociólogo – sociólogo? – da especificidade, alteridade; um modernista riscando as fronteiras nebulosas da “pós-modernidade”. Nele encontraríamos apenas detalhes, contingências. Dele extrairíamos insights brilhantes, de fatos isolados. Simmel trata da especificidade e está a anos-luz de uma compreensão sistemática da sociedade e da prática humana. Ele passa longe do universal. Essa é uma imagem forte de sua obra, talvez estando para Simmel assim como o “hermeneuta” para Weber, o “dialético” para Marx e o “positivista” a Durkheim.
 
 
O presente trabalho é um estudo exploratório, um esboço, em que buscamos desenvolver o argumento de que, muito pelo contrário, Simmel busca o universal, mas o faz precisamente esmiuçando o específico. E o faz sempre a partir de um princípio comum, supostamente presente em todas as manifestações, áreas e dimensões da experiência humana. Sua recorrência ao específico – foco da confusão previamente citada – deve-se à sua abordagem essencialmente leibniziana, que tem na Monadologia (LEIBNIZ, 1991) a sua expressão mais clara. Trata-se de olhar para as partes em busca do todo; de identificar o universal no particular. E, nessa abordagem, as antinomias diluem-se em uma complexa visão da natureza humana, em que os pares de opostos estão integrados em uma unidade coerente. Defendemos, pois, (i) que Simmel aplica um pensamento essencialmente leibniziano; (ii) que esse pensamento molda a visão simmeliana da sociedade e da prática humana; e que é por meio e por causa dele que Simmel (iii) deve sempre recorrer ao particular e (iv) deve sempre destacar o universal no particular. Simmel foca as coisas mais representativas deste algo hipotético, evasivo e imaterial chamado “alma”. Ele busca uma fugidia e dualista unidade, um princípio, em estilo monádico, nas manifestações mais densas do espírito humano. Usa a razão e a sensibilidade para interpretar a coisa aparentemente imaterial que percebe, de alguma forma, em cada manifestação do que existe nos e entre os homens. Ele busca o ponto, o princípio, e em cada câmara do labirinto busca ressaltar a sua essência.
 
 
Tomamos três textos de Simmel como objeto, “Filosofia da moda”, de 1905, “Psicologia do adorno” de 1908 e “Psicologia da coqueteria”, de 1909. Conduzimos uma análise em profundidade desses ensaios, buscando extrair os princípios comuns de pensamento. A seguir, comparamos esses princípios com a Monadologia de Leibniz e desenvolvemos uma analogia, a partir da qual construímos as hipóteses de trabalho (KAPLAN, 1972, p. 88).
 
 
O trabalho organiza-se da seguinte forma. Na primeira seção, buscamos caracterizar o monismo no pensamento de Simmel, isto é, a visão dualista da natureza humana. Na segunda, terceira e quarta seções, buscamos demonstrar a operação desse princípio em três objetos específicos, a moda, o valor e o adorno e a coqueteria. Na última seção, estabelecemos a analogia com a Monadologia de Leibniz.
 
 

* * *

 
 

Um comentário sobre “Leibniz e Simmel: um esboço

  1. Massa! Estou fazendo uma matéria no mestrado só sobre Simmel Schutz e Goffman. Tem um livro sobre o Simmel no 4shared, chamado Simmel (daquela série ‘Sociologia’ – digita Simmel e Sociologia no search que encontra) que tem um capítulo chamado ‘O problema da sociologia’. Também tem esse: http://socserv.mcmaster.ca/econ/ugcm/3ll3/simmel/society How is society possible?

    Nos dois ele discute como os homens se mantém unidos, o que possibilita a vida conjunta, comunicação, interação, ‘sociação’. Com isso ele separa as formas sociais dos conteúdos sociais. As formas se manifestam como regularidades presentes na interação humana, a qual jamais se reduz a uma quantidade limite de formas (são inúmeras e se podem fazer e desaparecer). O conteúdo é o que varia indiscriminadamente. Por exemplo, o duplo segredo/revelação é uma forma social constituinte de diversas interações humanas. MAs o seu conteúdo é variável conforme a interação (um segredo de Estado, segredo sexual, segredo de origem social – no caso dos cientistas sociais). Pelo lado das formas acho que dá para ver um lado mais ‘universalista’ do Simmel.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s