fragmentos

 
 
Os trechos a seguir importam e um dia devem chegar a algum lugar, por intermédio desta ou doutra mente. De uma forma ou de outra, devem ser jogados ao mar : para que os ruídos perturbem as mentes alheias, para que elas atinjam a síntese; mas também para a minha própria, porque jogando fora os fragmentos depura-se a ideia fundamental de seus grânulos ruidosos, e é então que a iluminação ocorre.
 
 
> Como uma prece despejada quietamente sobre a vida, sem interrompê-la ou perturbá-la (“A Lua”).
 
> No fundo fala-se sempre sobre as mesmas coisas; como um constructo que reinicia perpetuamente, após findarem suas últimas linhas sem registro de si mesmas, repetindo o previamente declarado, eternamente.
 
(Teu coração sofre e arde de amor e afeto inchados assim como os duzentos bilhões antes de ti e porque tu não escutou os seus gritos. Todos se afogam no mar e acenam ao próximo marinheiro que está fechado demais sobre si para escutar os teus aulidos, até afundar ao teu encontro, pouco antes ou pouco depois; mas nunca muito depois.)
 
> É impressionante a força de um “porém”. Especialmente seguido de reticências. Você já sabe o que virá a seguir sem saber. Pressente o sentido do comunicado sem que nenhum conteúdo idiomático seja transmitido. É. É por isso que eu sou humano e você também é. É este elo ontológico que permite a comunicação – e é o seu fundamento inconsciente. Ele é sentido quando a mensagem é entendida antes de ser comunicada. É esse relance, esse lampejo percebido impressionisticamente, no nível da sensação difusa – mas absolutamente clara à mente.
 
Os inconscientes se comunicam e às vezes precisam recorrer a palavras. Os 95% do Ser, contudo, pertencem ao rabinho do olho.
 
> O navio já partiu e está longe na costa, mas eu fiquei para trás, e os canibais espreitam nas minhas costas.
 
> A vida ordinária, quando o prazer é ausência de sofrimento.
 
> Como seria se aquele que mata, no momento em que abate a vítima, visse num flashback toda a vida desta, como num sonho.
 
> Precisou tornar-se um tirano, para fazer do outro virtuoso.
 
> A parada toda degringolou quando algum átomo de carbono foi parar no lugar errado, e da molécula resultante surgiu o primeiro coacervado. Ali o mundo começou a ruir e não mais parou desde então.
 
> Um dia por favor alguém escreva o seguinte artigo: “PÓS-MODERNISMO E O IMPÉRIO DO EU, OU, COMO O INDIVIDUALISMO PRODUZIU UM EXÉRCITO DE FARAÓS”.
 
 
Ou, como é que se diz; brainstorming ?
 
 
Z.
 
 

5 comentários sobre “fragmentos

  1. Ha. Brainstorming são todas as ideias que surgem, aparecem boas, ruins, engraçadas, ridículas. No seu brainstorming só tem ideia grandiosa e poética. Na linha das conversas anteriores contigo, apostaria que o verdadeiro tesouro está as ideias que você não escreveu aqui.
    beijos,
    barb

  2. permita-me de seus grânulos comungar e tecer-lhe elogios de quão grandioso sois teus escritos. o navio já partiu e está longe na costa, mas eu fiquei para trás, e os canibais espreitam nas minhas costas.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s