notas da experiência social e simbólica I

 
 
3 de setembro de 2012
 
 
Estou no ponto em que eu costumava pegar ônibus quando adolescente, em Blumenau, em frente à escola que eu costumava frequentar, quando criança. Estou sentado num banco de concreto queimado, o mesmo na calçada também a mesma. As tesselas fuliginosas do chão são as mesmas também e também é a mesma a pintura torta esverdeada dos muros da escola. Há quatro moleques no meu lado esquerdo. Eles calçam tênis largados DC, estilo skatista. Dez anos e o estilo dos pivetes blumenauenses continua fundamentalmente o mesmo, mas há uma inovação. Os cadarços têm cada um uma cor: vermelho, azul, cinza e verde. Há um pivete maior que os demais. Ele se porta com mais autoridade; seus sorrisos são mais escassos. A marca de líder da gangue é claramente demarcada na vestimenta: os outros usam os uniformes escolares protocolares, camisetas brancas com o “M” estampado no peito. O brasão dele é a bandeira de Tommy Hilfinger. O fato de transgredir o protocolo fundamental da instituição escolar enquanto os outros não o fazem investe-lhe da quantidade de capital machão decisiva para mandar neles. Mas aqui também temos uma inovação no estilo skatista; o pivete machão incorporou um signo distintivo do burguês gangster machão. Ele é uma espécie de Dom Corleone dos pivetes do Machado de Assis. Ele rastreia as redondezas com o olhar e interfere cirurgicamente nos debates internos, distribuindo ordens. Ele exerce e justifica sua liderança simulando jogar pedras nos carros. Os amigos correspondem e todos fingem estar alvejando os carros e consideram-se muito malvados por fazê-lo. Badass motherfuckers.
 
Tiro fotos dos sapatos.
 
Quando o ônibus chega, na fila, o Líder então surge por entre as gentes e me interpela, perguntando se eu estava tirando fotos. Que coragem! É a responsabilidade do líder; precisa provar-se para conservar o significado de um brasão Hilfinger e os privilégios que o acompanham. Digo que “sim” e páhhhhh que paguei muito pau pros seus sapatos e que queria uns iguaizinhos, especialmente o azul e o verde. Reajo meio catatônico, em outro modus operandi, e diante da falta de lógica da minha reação o despotismo dele entra em curto e não sabe que atitude gerar.
 
Ele entra no ônibus comigo e pergunta se era o Fonte ou o Aterro. No seu rosto está estampado um cérebro que não consegue decodificar a situação. Digo que é o Fonte, isto é, o ônibus que ele efetivamente devia tomar. Ele então se esconde nos fundos, seguro do dever cumprido.
 
 
F.
 
 

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s